Pós-Graduação

URGÊNCIA, EMERGÊNCIA MÉDICA E TERAPIA INTENSIVA

A área de Urgência e Emergência é um importante componente da assistência à saúde e se estabelece como porta de entrada dos clientes no sistema, além de atender o excesso de demanda que não pode ser atendido pela estrutura disponível. Nos últimos anos, o crescimento da demanda por serviços nessa área vem ocorrendo devido ao aumento do número de acidentes, da violência urbana e a insuficiente estruturação da rede assistencial. Isso tem contribuído decisivamente para a sobrecarga dos serviços de Urgência e Emergência disponibilizados para o atendimento da população e, frequentemente, o uso abusivo de recursos eleva os custos desnecessariamente e sobrecarrega a estrutura já disponível, atrasando o atendimento dos pacientes realmente necessitados.

Nesse contexto, o Curso em Urgência e Emergência e Terapia Intensiva é necessário para suprir essa carência, especialmente nas localidades mais remotas do país. Nesses locais, com muita frequência, o paciente crítico não encontra vaga em UTIs e é tratado em UPAs ou salas vermelhas de Pronto Atendimentos durante vários dias antes de se conseguir uma vaga em UTI. Nesses casos, o médico da emergência precisa de formação específica para cuidar do paciente crítico e dar continuidade ao tratamento, independentemente do local onde ele se encontra (seja UTI ou não). O atendimento na Linha de Cuidado pressupõe que todo o atendimento do paciente seja integrado e independe de onde ele esteja. Dessa forma todo atendimento é organizado com foco no cliente, e não nos setores do hospital ou na organização do serviço, permitindo a personalização do atendimento de acordo com a necessidade dos pacientes e as particularidades de suas patologias.

MERCADO DE TRABALHO

De acordo com dados do Ministério da Saúde, definidos em 2002, no mínimo 4% dos  leitos hospitalares deveriam ser de Terapia Intensiva. Hoje em média 3,74% dos leitos são de Terapia Intensiva, sendo que em maio de 2003 esse percentual era de 2,06%. Em alguns estados mais deficitários, esse percentual é ainda menor. Essas deficiências e o rápido crescimento do mercado profissional geraram grandes necessidades de profissionais com conhecimentos específicos da área.

Toda UTI deve ter, no mínimo, dois médicos intensivistas para funcionar, exercendo as atividades de coordenação, formação e aprimoramento técnico da equipe. Porém, o ideal seria se pelo menos metade da equipe fosse titulada e com formação específica, como forma de garantir a qualidade do atendimento. Hoje, essa categoria reúne 8.672 especialistas (abril/2005) e segundo a AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) seriam necessários o dobro deste número para o adequado funcionamento das Unidades de Terapia Intensiva existentes no país. Existe grande dificuldade para encontrar pessoal capacitado no mercado.

OBJETIVO

Objetivo Geral

Formar profissionais para desenvolver ações e intervenções nas situações de Urgência, Emergência e Cuidados Intensivos, atuando na linha de Cuidado ao Paciente, tanto do ponto de vista assistencial quanto organizacional, de forma segura e adequada.

 

Objetivos Específicos

  • Reconhecer a importância do cuidado e do tratamento de pacientes em estado clínico/cirúrgico crítico na urgência/ emergência e CTI;

  • Estabelecer a Linha de Cuidados dos pacientes com patologias tempo-dependentes, desde a entrada no Sistema de Saúde (Pré-Hospitalar ou Pronto Atendimentos) até a resolução do problema e/ou encaminhamento para UTI;

  • Intervir de forma segura e adequada em situações de Urgência/Emergência desde a entrada dos pacientes na Linha de Cuidados até o encaminhamento aos Cuidados Intensivos;

  • Compreender a importância do continuum do cuidado mesmo quando os pacientes necessitam permanecer nas salas de observação dos PAs – salas vermelhas ou similares, sem solução de continuidade no atendimento do paciente, especialmente aqueles com patologias que necessitam de cuidados tempo-dependentes;

  • Utilizar novidades tecnológicas ou epidemiológicas, para o suporte vital do paciente possibilitando a integralidade da atenção à saúde, com ética, competência e humanização;

  • Intervir de forma multidisciplinar promovendo ações coesas com resultados satisfatórios para a manutenção dos pacientes críticos;

  • Tratar pacientes que necessitam de cuidados intensivos incluindo Pronto Atendimento, Bloco Cirúrgico, Unidades de Internação, Unidades de Terapia Intensiva Adulto, Transporte Intra e inter-hospitalar.

PÚBLICO-ALVO

Médicos que desejam trabalhar na área de urgência e emergência.

MÓDULO I - Abordagens do Paciente Crítico na Urgência e Emergência e UTI
Organização de Serviços e Linha de Cuidado dos Pacientes Críticos
18 horas
Cardiologia
18 horas
Insuficiência Circulatória Aguda
18 horas
Insuficiência Respiratória e Ventilação Mecânica
18 horas
MÓDULO II - Suporte Vital no Paciente Crítico
Nutrição Clínica
18 horas
Infecção na Urgência e Terapia Intensiva
18 horas
Nefrologia
18 horas
Pré- e Pós-operatório Distúrbios da Coagulação
18 horas
MÓDULO III - O Paciente Clínico / Cirúrgico Crítico na Urgência/Emergência e UTI
Neurointensivismo
18 horas
Gastroenterologia e Cirurgia Geral
18 horas
Traumatologia
18 horas
Doenças do Metabolismo e Endócrinas
18 horas
Doenças Críticas na Gravidez e Peri-parto
18 horas
Metodologia Científica – EaD
18 horas
MÓDULO IV - Manutenção do Paciente Crítico
Toxicologia e Métodos Imagem - I
18 horas
Monitorização Hemodinâmica Invasiva e Não Invasiva - Métodos Imagem - II
18 horas
PVMA – Princípios de Ventilação Mecânica do Adulto
18 horas
Gestão de Qualidade e Segurança na Assistência. Protocolos em Urgência, Emergência e Terapia Intensiva
18 horas
MÓDULO V - Trabalho Científico
Seminário Final – Apresentação TCC
18 horas
Dr. Hugo Corrêa de Andrade Urbano
Dr. Hugo Corrêa de Andrade Urbano

Plantonista do CTI do Hospital São Lucas de Belo Horizonte de fevereiro de 1984 a julho de 1998; Plantonista do CTI do Hospital Militar (HPM) de Belo Horizonte de 1988 a 1998; Professor de Semiologia Médica da Faculdade de Ciências Médicas de Belo Horizonte de 1986 até 2001; Coordenador do CTI HPM de 1999 a 2002. Coordenador do CTI do Hospital Vila da Serra, Nova Lima (MG) de janeiro/2001 até a presente data; Docente e Coordenador do Curso de pós-graduação da Faculdade Unimed; Consultor da prova de título de especialista de Medicina Intensiva – AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira)

CARGA HORÁRIA 360 horas
TURNO Dia e Noite
Fale com a Faculdade Unimed

Entre em contato pela central de atendimento
clicando aqui ou ligue para: 0800 702 1301