05 vantagens de cursar um tecnólogo

Publicada 22/11/2017

capelo.jpg
 

Compensa fazer um curso tecnólogo? Como o mercado enxerga esse tipo de graduação? É equivalente a um bacharelado?​

 

Essas perguntas costumam surgir na cabeça de quem pretende cursar uma graduação tecnológica. E já podemos respondê-las imediatamente: compensa muito, o mercado precisa de profissionais com essa formação e sim, a graduação tecnológica equivale a um bacharelado ou licenciatura (vamos falar mais disso nas próximas linhas). Aumentar a empregabilidade e possibilidades de atuação profissional e adquirir muito conhecimento em menos tempo são apenas alguns dos vários benefícios alcançados por um profissional tecnólogo. Listamos algumas vantagens abaixo. Veja:​

 

1. A graduação tecnológica tem o mesmo valor do bacharelado, licenciatura e curso sequencial

Ao contrário do que muitos pensam, quem se forma no curso de tecnólogo (ou graduação tecnológica) recebe um diploma de nível superior que permite, inclusive, o acesso a cursos de pós-graduação, como lato sensu (especialização) e stricto sensu (mestrado e doutorado). O tecnólogo pode, também, prestar concursos públicos que exige formação superior. Portanto, o tecnólogo é uma formação superior, e não um curso técnico (que equivale ao ensino médio).

 

2. O tempo de duração do curso tecnólogo é menor

 

Terminar os estudos mais rápido e já ter uma graduação no currículo para se inserir no mercado de trabalho é um grande benefício da graduação tecnológica. Enquanto um bacharelado ou licenciatura demanda, no mínimo, quatro anos de um aluno, a graduação tecnológica dura, em média, dois anos e meio.

 

3. O investimento também é menor

Além de pagar mensalidades por menos tempo, o valor delas costuma ser menor quando falamos de graduação tecnológica. Muitas vezes, isso faz com que o tecnólogo seja mais viável e o aluno consegue iniciar o curso antes do que ele planejou a médio e longo prazo.

Ou seja, estamos falando de um excelente custo-benefício: conclusão de um curso com menor investimento e em menos tempo.

 

4. Objetividade e áreas específicas

A graduação tecnológica prioriza a objetividade e aplicação prática nas áreas ofertadas. O tecnólogo tem uma vantagem competitiva no mercado por ter uma formação direcionada em áreas muito específicas. 

Por exemplo, a gestão hospitalar: as graduações tradicionais em administração não suprem a demanda desse mercado, pois não abordam, especificamente, as particularidades da gestão em instituições de saúde. Ou seja, a formação tecnóloga em gestão hospitalar tem mais valor que uma formação tradicional quando falamos da área de saúde. Outro ótimo exemplo são algumas demandas no mercado de TI, como a área de Redes. As graduações tradicionais de bacharelado oferecem formação em TI, mas em Redes, especificamente, é necessário um curso tecnólogo.​

 

5. Redirecionamento profissional ou complemento de carreira

Como a graduação tecnológica é mais rápida e exige menor investimento, ela também é uma ótima opção para quem já tem outra formação e quer complementar os conhecimentos. Imagine um psicólogo que também é tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos? Ou um publicitário que, após o bacharelado, cursou um tecnólogo em Fotografia? Há vários exemplos e possibilidades em que o tecnólogo ajuda um profissional a definir, complementar e direcionar a carreira.

 

Há, ainda, casos de profissionais que querem mudar radicalmente sem investir mais quatro anos em uma graduação tradicional. Nesse caso, a graduação tecnológica torna-se uma opção viável e otimizada de recomeço e reinvenção na carreira.


Clique aqui e baixe agora o E-book gratuito: As Oportunidades e Desafios do Gestor Hospitalar


Fale com a Faculdade Unimed

Entre em contato pela central de atendimento
clicando aqui ou ligue para: 0800 702 1301



ÚLTIMOS POSTS

Há 6 dias

Terapia intensiva, urgência e emergência: que habilidades o médico precisa ter para atuar na área?

LER POST
04/09/2018

4 cursos de gestão na área da saúde que você precisa conhecer

LER POST
03/09/2018

Diretivas Antecipadas de Vontade: o que o geriatra precisa saber sobre

LER POST